10 Hábitos Irritantes no Convívio do Ambiente de Trabalho

Quando falta o bom senso, o convívio harmonioso não passa de uma fantasia...
10 Hábitos Irritantes no Convívio do Ambiente de Trabalho

O principal problema do sujeito inconveniente é se achar uma espécie astro, cuja presença naquele local é uma obra prima da divina providência...

5. Muitas Pausas para Fumar

Alguns colegas estão constantemente ausentes, simplesmente porque eles estão em uma de suas várias pausas para fumar, ou para "fazer fumaça" como alguns alegremente rotulam o hábito. Ocorre que muitas vezes tais "saidinhas" se transformam em verdadeiras reuniões informais entre os simpatizantes da causa, e não é raro que ainda apareçam na sala reclamando que "acabou o café", como se aquilo representasse um verdadeiro estado de calimidade pública. Pelo menos nesses casos, sem café, há a possibilidade de que as reuniões se tornem menos frequentes.

Você é um deles? Talvez deva considerar o fato de parar de fumar, antes que parem você.

6. Atraso Habitual

Todas as manhãs o seu colega passa pela porta do escritório correndo, ofegante, despenteado, roupas amarrotadas, cara de quem passou a noite em claro, desesperado porque, mais uma vez, "odeia" chegar atrasado.

E como das outras vezes, algum evento extraordinário se interpôs entre sua obrigação de ser pontual e o fato de não ter chegado na hora.

Pode ter sido um simples, mas nunca dantes visto, engarrafamento; ou a condução que enguiçou; ou o motorista da condução que errou o caminho (afinal naquele dia, novo na linha, não conhecia o trajeto correto). Mas também pode ser um caso com sua avó, que pela enésima vez naquele mês, adoeceu e precisou ser socorrida às pressas, mesmo sendo do conhecimento público o fato de que ela mora a centenas de quilômetros de distância da casa daquele canastrão.

7. Pegar Objetos de Outras Pessoas

Eles pegam "emprestado" o seu grampeador e, acidentalmente, ou "sem querer querendo", "esquecem" de colocá-lo de volta no seu lugar de origem.

Parecem apreciar quando se apercebem que você, como uma figura patética e desorientada, vagueia a esmo, de mesa em mesa, em busca do seu tesouro perdido, perguntando a um ou outro se não tem notícia, ou se por acaso não "o viu", talvez, caminhando sozinho dentre mesas e birôs, pernas e cadeiras, até se perder, e não mais ser capaz de encontrar o caminho de volta para casa.

8. Ouvir Música com o Volume nas Alturas

Eles podem até pensar que ouvir música em seu MP3 Player ou dispositivo musical signifique que ninguém mais, além deles, seja capaz de ouvir, mas estão redondamente enganados. Esse engano já pode ser o resultado da sua perda auditiva ocasionada pelo diário bombardeio de décibeis acima do nível de tolerância que suportam aqueles pobres ouvidos. E assim, já meios surdos, colocam o volume nas alturas.

E por isso mesmo, Você sabe exatamente o que eles estão ouvindo, e é obrigado a conviver com aquele "gosto musical", que mais parece um sintoma de possessão demoníaca. E como se não bastasse o som que emana dos fones de ouvido, há ainda o acompanhamento do colega percussionista, que insiste em tamborilar as canetas no ritmo da batida da música, isso quando não fazem a dublagem com sua maviosa e prodigiosa voz.

Nessas horas, mais uma vez, o melhor a fazer é levantar e ir dar uma voltinha, tomar uma água, lavar o rosto, e tudo isso para não dar vazão ao seu instinto primário, que implora para que você pegue aquele aparelhinho e o arremesse com toda força contra a parede mais próxima.

9. Passar seus Germes

Apesar da mesa dele parecer uma farmácia, escutar seu colega espirrar incessantemente, não é um bom sinal de que ele está ficando curado, nem de que suas chances de se infectar diminuíram.

O pior de tudo, nunca acham que são capazes de contaminar alguém com seus micro-organismos, aquela colônia de germes bizarros que estão loucos para encontrar novos hospedeiros. E completamente alheios ao bom senso, aqueles colegas parecem que silenciosamente estão dizendo à todos: "Excreções dos outros são nocivas, entretanto, as minhas, definitivamente, por um capricho da natureza, são assépticas, limpas, aliás, nem deveriam se chamar "excreções..."

10. Fofocar

Alguns colegas são especialistas quando se trata da coleta e difusão de informações sobre os outros. Essa é também a forma como os boatos e assédio moral no trabalho começam. Sem contar que, uma das maiores causas das insatisfações no trabalho têm origem na "central de fofocas", canal através do qual, na maioria das vezes, privilégios e benefícios de alguns, assuntos que deveriam ser sigilosos, acabam se tornando do conhecimento público. Resultado: Fica aquele "climão" generalizado de indisposição entre os demais.

Na verdade, apesar do fato notório de que todos estão naquele local para prestar serviços ao seu empregador, a fofoca parece ser a principal atividade dentro da repartição ou escritório, ambiente onde pessoas ou grupos estão reunidos. E alguns até são procurados pelos demais, como fonte de informações "confiáveis", uma vez que, com o tempo, se tornam "respeitadas" centrais de informações, verdadeiras autoridades no assunto.

Se você é algum dos que gostam de fofocar sobre os outros, a melhor atitude é ignorar as fraquezas dos colegas e manter alguns segredos para si mesmo. Lembrando sempre de que você não está fora do alcance daquelas dezenas de línguas e ouvidos que passam as horas em busca de novos e "quentes" assuntos para "animar o dia".

Quem fala pouco dificilmente irá se meter nas confusões e embaraços causados pelas fofocas e seus fiéis mantenedores, ou seja, os fofoqueiros.

Notas:

Sobre o Autor:

Nota de Copyright ©
Proibida a reprodução para fins comerciais sem a autorização expressa do autor ou site.